Quando uma relação exige mudanças

Dentre os vários usos do tarot, o que mais me sinto familiarizado é o de usá-lo como um espelho, tê-lo como um mestre pessoal de expansão de consciência.
A dificuldade humana em despolarizar a própria consciência e se relacionar com o próximo tem raízes na ignorância de si enquanto o “Ser Essencial”. Somos seres comunitários e nos relacionamos, por isso assuntos como amor e trabalho sempre predominam quando a questão é uma consulta de tarot. Isso é evidente, uma vez que fomos condicionados à diversos padrões culturais, sociais e familiares desde que nascemos, como a famosa ideologia de “ser alguém na vida”, conseguindo um bom emprego, ou “ser alguém quando crescer”. Todos nós crescemos com valores herdados de nossos pais, familiares e amigos, mas que não são nossos, e que vão formando nosso conjunto de crenças e compreensão de mundo. Crescemos cercados de conceitos, como a idéia de que uma vida de sucesso é aquela em que é possível desfrutar de todos os recursos, adquirindo propriedades e constituindo família, e nesta crença de “ser alguém no futuro”, não somos ninguém no presente. Há também aqueles que vivem na esperança do porvir e que qualificam esta crença como espiritualidade. Devotarão sua vida na busca de um paraíso como um prêmio após a morte, um objetivo a ser alcançado que os fará esquecer do momento presente. É sobre essas crenças e condicionamentos que venho falar hoje, mais especificamente quando surge o arcano O Enforcado em uma leitura de cunho afetivo.

O Enforcado
Rider Waite-Smith Tarot

Ele se pendura voluntariamente renunciando tudo aquilo que sabe em favor da transformação

No tarot de Waite vemos um homem pendurado pelo pé com suas mãos cruzadas para trás em uma posição desconfortável, ele possui uma auréola ao redor de sua cabeça, representando um ideal elevado. Ele se pendura voluntariamente renunciando tudo aquilo que sabe em favor da transformação, porque acredita que o sofrimento não é nada comparado ao conhecimento e iluminação que está por receber. Ele pode ser comparado à Cristo na cruz do Calvário, ou Odin que se pendurou em Yggdrasil para receber a revelação das runas.

O Enforcado em uma leitura afetiva costuma falar de uma resignação consciente. É quando uma das partes da relação se submete à restrições porque acredita que ao adotar essa postura, poderá mudar ou melhorar a relação. Quando o Enforcado surge em uma leitura, sinaliza que o relacionamento “não está como deveria estar” para um dos lados, há essa necessidade de sacrifício e mudanças que poderá comprometer a fluidez da relação. O arcano XIII que o diga!

Quando o Enforcado descreve o consulente, costumo perguntar se é por aspirações, ou pela aprovação do cônjuge que está se resignando?

O Enforcado também trará uma tonalidade semelhante à do Papa em assuntos afetivos, onde um objetivo ou ideal sobrepuja os impulsos físicos e a atração. Em ambos os casos, pode-se considerar que um dos lados está mais motivado por uma meta, ou por uma idealização futura do relacionamento do que por aquilo que é vivenciado na intimidade e no cotidiano.

A transformação torna o que é, naquilo que não é. Mas o que é?

Texto: Leo Gitano

Se você gostou do artigo, deixe seu comentário! E se deseja saber mais sobre o Tarot, aguarde os próximos posts ou conheça também nossos cursos.

Para consultas, clique aqui.
Para cursos, clique aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s